Navegação – Mapa do site
Outros textos

Contributos para uma análise da tese da “modernidade reflexiva” de Anthony Giddens, a partir da perspetiva de Pierre Bourdieu1

M. Benedita Portugal e Melo

Resumos

Cativante, a tese da “modernidade reflexiva” de A. Giddens dificilmente poderá ser sustentada empiricamente se alguns dos seus pressupostos não forem (re)equacionados. Confrontando a perspetiva de A. Giddens com a de P. Bourdieu, procura-se, assim, neste artigo, dar resposta às seguintes questões: a) o contacto com os conhecimentos periciais é suficiente para os indivíduos quebrarem a inércia da rotina que alimenta as suas práticas quotidianas e desenvolverem uma reflexividade distinta da reflexividade prática que usualmente constroem? b) o que caracteriza a reflexividade institucional? c) quais são os fatores que possibilitam a disseminação e receção de uma reflexividade baseada em conhecimentos periciais? A argumentação apresentada desenvolve a hipótese de que os atores sociais constroem diferentes tipos de reflexividade e só sentirão a urgência de produzir uma reflexividade “suprarracionalizada” se se encontrarem perante “situações críticas” (Giddens, 1989).

Topo da página

Texto integral

Introdução

  • 1 As reflexões teóricas que se apresentam foram inicialmente desenvolvidas na Tese de Doutoramento, t (...)

1A tese da “modernidade reflexiva” – da qual Anthony Giddens é um dos seus mais notáveis autores – sustenta a ideia de que o exponencial aumento de conhecimentos propiciado pelos sistemas periciais, entre os quais se destaca a produção na área das ciências sociais, o crescente contacto dos indivíduos com especialistas de diversas áreas (medicina, psicologia, ambiente…) e a divulgação intensiva de informações especializadas pelos media, tem possibilitado aos indivíduos aceder a uma diversidade de experiências socializadoras que extravasam o seu mundo quotidiano mais restrito e enriquecem os seus recursos cognitivos. Por isso, os quadros de perceção, avaliação e orientação para a ação acionados pelos atores sociais são, atualmente, cada vez mais influenciados por um conjunto de saberes especializados.

2Um pressuposto fundamental elaborado pelo próprio Anthony Giddens (1998) permite-nos desenvolver um conjunto de reflexões com vista à sustentação desta tese. Esse pressuposto diz respeito à ideia de que a monitorização reflexiva da atividade social é uma característica crónica da ação quotidiana. Nas palavras do próprio Giddens, “a acção humana incorpora um controlo consistente (…), um controlo que nunca afrouxa – do comportamento e dos seus contextos” (Giddens, 1998: 26). Embora, para Giddens, este não seja o sentido de reflexividade que está especificamente relacionado com a “modernidade tardia”, constitui a base necessária para ela (Giddens, 1998: 26).

3Ora, a monitorização reflexiva da ação opera-se através da consciência prática e depende da competência que os atores sociais possuem para racionalizar as suas ações. A racionalização da ação corresponde a “um contínuo «entendimento teórico» que os indivíduos mantêm sobre as bases da sua actividade” (Giddens, 1989: 4). Falamos, desta forma, da “consciência prática” que ocorre na esfera da vida quotidiana e que diz respeito à maioria das regras envolvidas na produção e reprodução de práticas sociais que são apenas tacitamente apreendidas pelos atores. Nas palavras de Giddens, a consciência das regras sociais, expressa sobretudo na consciência prática, constitui o “próprio âmago daquela «cognoscitividade» que caracteriza especificamente os agentes humanos” (Giddens, 1989: 17).

4Todavia, a consciência prática é condicionada pelas condições objetivas que estão na génese do stock de conhecimentos que possibilita a monitorização do dia a dia. Este facto é sublinhado por Giddens, quando o autor salienta o poder diferencial dos indivíduos.

5Não significa isso, no entanto, que os atores sociais não possam ampliar o seu campo cognitivo e associar à reflexividade «prática» múltiplas referências cognitivas – baseadas em saberes especializados – que concorrem para complexificar os seus esquemas de perceção da realidade envolvente e a sua ação social.

6A escola constitui um campo no qual se organizam e produzem reflexividades de caráter diverso e se efetuam mediações da reflexividade pericial. Ao difundir, de forma “traduzida” e contextualizada, conhecimentos especializados, acrescentando-os aos que os indivíduos aplicam nas suas ações comuns, o sistema escolar poderá potenciar níveis acrescidos de reflexividade.

7Por sua vez, a reflexividade produzida pelas organizações periciais tanto pode constituir uma fonte de informação para a escola como é muitas vezes difundida pela comunicação social.

8Os media constituem justamente um outro campo onde também circulam, se desenvolvem e se difundem diversas reflexividades. Todavia, as lógicas que regulam a produção e difusão de informação e conhecimento neste sistema e os fatores que interferem nos processos de receção das mensagens mediáticas podem contribuir para neutralizar os efeitos dos media na promoção de uma reflexividade baseada em conhecimentos periciais. Ainda assim, admitimos que os indivíduos podem complexificar os seus recursos cognitivos se for possível acederem a reflexividades mediatizadas de caráter mais científico.

9Estas reflexividades não circulam de forma independente: tal como muitas das informações que são produzidas pelos media constituem um universo de referências que os indivíduos apropriam – ainda que de modo distinto – e acumulam ao seu stock de conhecimentos, as práticas quotidianas dos atores sociais também podem alimentar a produção da informação mediática.

10Em nosso entender, será, portanto, através da interseção e circulação de reflexividades, associadas ao exponencial aumento da circulação de informações propiciada pelos media, que os indivíduos poderão contactar com uma diversidade de experiências socializadoras e aceder a outros recursos cognitivos – desigualmente repartidos – que podem complexificar a sua reflexividade «prática».

11Mas, para podermos sustentar empiricamente a tese da modernidade reflexiva, é ainda necessário esclarecer várias perplexidades: a) o contacto com os conhecimentos periciais é suficiente para os indivíduos quebrarem a inércia da rotina que alimenta as suas práticas quotidianas e desenvolverem uma reflexividade distinta da reflexividade prática que usualmente constroem?; b) o que caracteriza a reflexividade institucional?; c) quais são os fatores que possibilitam a disseminação e receção de uma reflexividade baseada em conhecimentos periciais?

12Defendendo a tese de que entre a reflexividade prática e a reflexividade científica existem níveis intermédios de consciências reflexivas que poderão ser desenvolvidos sob determinadas condições e em determinadas situações, apresentaremos, neste artigo, uma tipologia de reflexividades que procura dar resposta às questões enunciadas.

1. Da teoria da estruturação ao conceito de reflexividade institucional

13A noção de “reflexividade” é central nas análises mais recentes de Giddens (1998, 2000a, 2000b, 2001). A influência do pensamento filosófico desenvolvido por Descartes, Kant, Hegel e Husserl no quadro teórico deste autor permite-nos considerar que o sentido de “reflexividade” se enquadra na matriz racionalista ocidental, significando, por isso, reflexão racional (Domingues, 2002: 57). Partilhamos, assim, da opinião segundo a qual a reflexividade de Giddens se refere, de uma forma ou de outra, ao que Descartes consagrou como o cogito, ou seja, «a capacidade da consciência de pensar-se a si mesma» e que será devido “ao papel da razão que o indivíduo possuirá a capacidade para se encarar a si mesmo e reconhecer-se para além das suas experiências comuns” (Domingues, 2002: 58).

14Todavia, em nosso entender, a reflexividade não se poderá reduzir ao conceito de razão, uma vez que Giddens a associa, também, à ideia de conhecimento e à importância deste no controlo das ações dos atores sociais.

15Com efeito, a sua teoria assenta no pressuposto de que a mudança social é possível, porque os atores sociais possuem a capacidade racional de analisar as informações que recebem para conceberem estratégias de atuação que visam transformar, positivamente, as condições de existência em que se encontram (Giddens, 1989, 2000b, 1998, 2001).

16Esta relação entre interesse, consciência individual racional e ação é desenvolvida por Giddens na teoria da estruturação, nomeadamente nas considerações que efetua a propósito das ações intencionais e não intencionais, da agência humana e da sua relação com o poder (Giddens, 1989, 2000a).

17De acordo com o autor, “«agência» não se refere às intenções que as pessoas têm ao fazer as coisas mas à capacidade delas para realizar essas coisas em primeiro lugar. “Agência” diz respeito “a eventos dos quais um indivíduo é o perpetrador, no sentido em que ele poderia, em qualquer fase de uma dada sequência de conduta, ter actuado de modo diferente” (Giddens, 1989: 7).

18É devido à “conexão lógica” existente entre ação e poder que os indivíduos, segundo Giddens, poderão desenvolver processos de mudança social. O autor considera, com efeito, que “os agentes sociais são capazes de actuar de outro modo, isto é, são capazes de intervir no mundo, ou abster-se de tal intervenção, com o efeito de influenciar um processo ou estado específico de coisas” (Giddens, 1989: 11).

19A sua conceção dos indivíduos como agentes corrobora precisamente esta ideia. A ação depende da capacidade e do poder que os indivíduos possuem para “criar uma diferença” em relação ao estado de coisas ou curso de eventos preexistente (Giddens, 1989: 11).

20Não significa isto que o autor não reconheça que não existam lógicas de coerção social que limitam o poder dos indivíduos e a sua capacidade de obter resultados. Uma das características da dualidade da estrutura reside justamente no facto de o poder “pressupor relações regularizadas de autonomia e dependência entre atores ou colectividades em contextos de interacção social” (Giddens, 1989: 12).

21Mas é a possibilidade de os agentes serem autónomos relativamente à “estrutura”, ou, por outras palavras, é o facto de os indivíduos não só reproduzirem as características dos sistemas sociais na sua ação, como de serem também capazes de as produzir (Giddens, 1989: 72), que nos permite associar os conceitos de “agência”, “poder” e “ação” ao conceito de reflexividade.

22De facto, ao considerar que os indivíduos detêm a possibilidade de “penetrar” nas condições de reprodução do sistema social, na medida em que produzem conhecimento sobre esse mesmo sistema (Giddens, 1989: 73), parece-nos que o autor atribui ao conceito de reflexividade uma forte carga «capacitante».

23Será, aliás, nesta ordem de ideias, que Giddens apresenta a noção de “reflexividade institucional” (1998, 2001). Subjacente a este conceito parece estar o princípio que explicita a “dupla hermenêutica”. Referimo-nos à perspetiva segundo a qual as instituições não funcionam “apenas «por detrás»” dos atores sociais que as produzem e reproduzem, já que “todo o membro competente de qualquer sociedade sabe bastante sobre as instituições dessa mesma sociedade, não sendo tal conhecimento secundário para o funcionamento da sociedade, encontrando-se antes necessariamente envolvido no mesmo” (sublinhados de Giddens, 2000a: 46).

24Tendo em atenção a expansão dos sistemas periciais e o aumento substancial de possibilidades para se aceder ao vasto conjunto de informações especializadas que são difundidas, Giddens parece considerar que estarão criadas as condições para as sociedades atuais desenvolverem processos acrescidos de reflexão e análise sobre si mesmas (Giddens, 2001: 18).

25A noção de “reflexividade institucional” parece-nos, assim, diretamente associada à ideia de que todos os indivíduos possuem competências para receber os conhecimentos científicos divulgados, produzindo, a partir destes, outros conhecimentos que, por sua vez, irão contribuir para enriquecer os novos conhecimentos científicos que os cientistas sociais constroem sobre a realidade social.

26Ter em consideração a influência que o conhecimento produzido pelas ciências sociais poderá ter na construção dos modelos concetuais interpretativos dos atores sociais não significa, no entanto, que possamos considerar que as principais normas em que os indivíduos se baseiam para gerir as circunstâncias sejam as que estão associadas à produção de conhecimentos especializados. Em última análise, este raciocínio levar-nos-ia a admitir que a reflexividade dos agentes sociais seria especificamente constituída por um nível de conceções totalmente enquadradas em pressupostos científicos específicos. Ora, em nossa opinião, serão apenas os cientistas sociais os sujeitos cognoscentes que detêm os meios – científicos, refira-se – para efetuar uma “rutura epistemológica” com o pré-construído, de modo a reintroduzirem nas suas análises “a consciência dos pressupostos e dos preconceitos, associados ao ponto de vista local e localizado daquele que constrói o espaço dos pontos de vista” (Bourdieu, 1989: 52). Por isso, apenas estes estão em condições de praticar a reflexividade científica.

27É necessário ter também em atenção que os conhecimentos científicos produzidos pela ciência dependem da estrutura e funcionamento da ciência como instituição e sistema específico de produção de conhecimentos, estrutura e funcionamento esses que, por sua vez, são condicionados por outras instituições e dinâmicas sociais. O desenvolvimento da produção científica (sobre a realidade social) é condicionado, não só pelas “condições internas da investigação científica – princípios, meios e resultados teóricos – como pelas condições sociais e institucionais em que esta é realizada” (Silva e Pinto, 1987: 11).

28A reflexividade científica, por ser baseada em saberes periciais, criados em instituições próprias que gerem a sua produção e difusão mediante determinadas condições transforma-se, assim, em reflexividade institucional, ou, mais precisamente, em distintas reflexividades institucionais. A reflexividade institucional corresponde, portanto, à forma particular de conhecimento produzida pelas ciências, nomeadamente pelas ciências sociais.

2. Da reflexividade prática à reflexividade simbólico-ideológica

29Ao contrário dos cientistas, os indivíduos monitorizam as suas ações através da consciência prática – já o dissemos – mas também mediante um outro tipo de consciência que Giddens denomina como consciência discursiva. O conceito de consciência discursiva encontra-se diretamente relacionado com o facto de os atores competentes poderem quase sempre racionalizar as suas ações, no sentido em que podem explicitar, discursivamente, as suas intenções – e motivos – para atuarem do modo como atuam (Giddens, 1989: 5).

30O que distinguirá o conceito de consciência discursiva do conceito de consciência prática é o pressuposto de que o ser humano, enquanto agente intencional, tem razões para realizar as suas atividades e também está apto, se solicitado, a elaborar discursivamente essas razões (Giddens, 1989: 2). Nesta ordem de ideias, consciência discursiva “significa ser capaz de pôr coisas em palavras” (Giddens, 1989: 36).

31Giddens refere-se aos atos de comunicação, parecendo considerar que todos os indivíduos possuem capacidades e condições idênticas para objetivarem o sentido vivido das suas práticas sociais, sob a forma de um discurso, oral ou escrito.

32Ora, tal como entendemos que existem distinções substanciais entre as condições objetivas que estão na génese do stock de conhecimentos que os indivíduos mobilizam para monitorizarem o seu dia a dia, somos também da opinião que a mesma desigualdade de recursos impossibilitará todos os indivíduos de se expressarem nos mesmos termos e em iguais condições. Na verdade, a sociologia tem demonstrado que, a) “a probabilidade de acesso aos instrumentos de produção e/ou verbalização de opiniões oscila em função do capital cultural e escolar dos agentes sociais e do grau de familiaridade destes com a escrita e outras formas de racionalização e de produção controlada de sentido” e que b) “os actos de fala dependem ainda das «estruturas do mercado linguístico»” (Almeida e Pinto, 1987: 77). Além disso, como Almeida e Pinto igualmente afirmam, “os actos de comunicação (...) são sempre social e situacionalmente determinados” (Almeida e Pinto, 1987: 76).

33Porém, tal como não salienta as diferentes lógicas de poder simbólico que estruturam “o campo das trocas linguísticas” (Bourdieu, 1989, 2003), Giddens não efetua uma distinção aprofundada entre o conceito de consciência prática e consciência discursiva. Aliás, o próprio autor assume que a diferença entre estas noções “não é rígida e impermeável” e que “não há barreiras entre estes dois tipos de consciência; há apenas as diferenças entre o que pode ser dito e o que, de modo característico, é simplesmente feito” (Giddens, 1989: 5).

34Ao interrogar-se em que sentido os agentes sociais são “cognoscitivos”, Giddens também não distingue claramente o que entende por “conhecimento prático” e por “conhecimento discursivo”. Uma vez que a consciência prática consiste “no conhecimento das regras e tácticas mediante as quais a vida social é constituída e reconstituída através do tempo e do espaço” (Giddens, 1989: 72), poderemos considerar que o conhecimento que lhe está implícito é o responsável pela orientação das ações que os indivíduos desenvolvem habitualmente em contextos específicos, ou seja, em condições de espaço e de tempo específicas.

35Todavia, existem diferenças potenciais entre o conhecimento das regras e tácticas da conduta prática nos meios em que os agentes se movimentam e o conhecimento daquelas que se aplicam em contextos remotos da sua experiência pessoal. Se os indivíduos demonstram possuir este conhecimento em determinadas situações do seu quotidiano será, sobretudo, “no conhecimento – ou nas afirmações de crença – que conseguem formular discursivamente, que os agentes mostram possuir uma consciência de condições mais amplas da vida social do que aquelas em que suas próprias actividades ocorrem. (...) quando falamos do «conhecimento que os actores têm das suas sociedades» (e de outras), a referência é à consciência discursiva” (Giddens, 1989: 72-73).

36A distinção que se adivinha entre o conhecimento produzido pela “consciência prática” e o conhecimento gerado pela “consciência discursiva” torna-se mais percetível quando Giddens enumera os fatores que tendem a influenciar “o nível e a natureza da «penetração» dos actores sociais nas condições de reprodução do sistema” (Giddens, 1989: 73). Na sua opinião, este encontra-se dependente das seguintes circunstâncias: “1) os meios de acesso dos actores ao conhecimento, em virtude da sua localização social; 2) os modos de articulação do conhecimento; 3) as circunstâncias referentes à validade das afirmações de crenças interpretadas como «conhecimento»; 4) os factores relacionados com os meios de disseminação do conhecimento disponível” (Giddens, 1989: 73).

37Nesta ordem de ideias, entendemos que o conhecimento que orienta a consciência prática dos atores sociais equivale ao que em sociologia se designa como conhecimento de senso comum (Silva, 1987: 31). Referimo-nos, em síntese, ao conhecimento mais “espontâneo” que os indivíduos constroem no decorrer das suas experiências sociais diretas. A “abrangência”, “diversificação” e “complexidade” deste património cognitivo dependerá das condições que os atores sociais possuem para aceder – sem mediações – a diferentes quotidianos sociais, culturais, económicos e geográficos.

38Já o conhecimento “discursivo” poderá equivaler a um “2.º grau” de construção de conhecimento, no qual os atores sociais produzem “conhecimentos” de senso comum sobre outros “conhecimentos” de senso comum. Será, com efeito, a este nível que a “dupla hermenêutica” se consubstanciará, uma vez que nos parece que é nas situações discursivas que todos os outros membros competentes da sociedade poderão avaliar em que medida o conhecimento das convenções sociais, de si mesmo e dos outros seres humanos, “é detalhado e impressionante” e como “todos poderão ser hábeis sociólogos” (Giddens, 1989: 20).

39Será, enfim, através da consciência discursiva que os indivíduos possuirão mais possibilidades de complexificar as suas perceções cognitivas, dada a influência que uma esfera central de propagação de crenças, representações e conhecimentos especializados – os media – detêm no seu quotidiano.

40A importância deste sistema social para o uso e desenvolvimento da “reflexividade” discursiva é, aliás, indicada por Giddens, ao assinalar o facto de os veículos de comunicação escrita, impressa e eletrónica terem sempre influenciado “não só os stocks de conhecimento disponível, como também os tipos de conhecimento produzidos”(Giddens, 1989: 74).

41Muito embora consideremos que a informação produzida e veiculada pelo campo mediático poderá potenciar a “reflexividade discursiva”, parece-nos que os atores sociais não dispõem dos mesmos sistemas de disposições para mobilizarem discursivamente os conhecimentos socialmente difundidos. Por isso, será através de um acesso desigual a este espaço de mediação que poderá decorrer uma partilha de patrimónios cognitivos compostos por representações de conhecimentos abstratos.

42Por outro lado, apesar de aceitarmos a ideia de que “o surgimento de discursos da ciência social influencia claramente todos os níveis de interpretação social nas sociedades em que ela se tornou influente” (Giddens, 1989: 73), defendemos que estes níveis de interpretação social são forçosamente condicionados pelos sistemas ideológicos que os indivíduos partilham entre si.

43Os pressupostos da teoria multidisciplinar da ideologia e suas relações com o discurso de Van Dijk (2005) obrigam-nos, com efeito, a sublinhar que ao processo de racionalização dos comportamentos se encontra subjacente, por parte dos atores sociais, um processo de mobilização de sistemas ideológicos. Na concepção de Van Dijk, “é sobretudo através de enunciados escritos e orais – elaborados por actores sociais, enquanto membros de um grupo, que as ideologias são produzidas e reproduzidas” (Van Dijk, 2005: 135). Deste modo, conclui o autor, “são os sistemas ideológicos que «dirigem» as opiniões, apreciações e representações dos indivíduos, orientando, pois, o significado dos seus discursos” (Van Dijk, 2005: 141).

44Neste sentido, importará chamar a atenção para o facto de grande parte do discurso científico ser mediado pelos meios de comunicação social através de lógicas muito específicas que originam uma transmissão muito seletiva e particularizada desse mesmo discurso (Melo, 2009).

45A questão essencial, em nosso entender, reside no modo como se processa a comunicação do conhecimento. Se, como afirma Van Dijk, “as ideologias têm a função cognitiva de organizar as representações sociais (atitudes, conhecimentos) do grupo, orientando, assim, indirectamente, as práticas sociais relativas àquele e, consequentemente, também as produções escritas e orais dos seus membros” (2005: 141), teremos de pressupor que o processo de propagação e receção de conhecimentos – ao assentar em discursos – é orientado pelos sistemas ideológicos de grupos sociais específicos.

46Nesta ordem de ideias, parece-nos que a reflexividade discursiva comportará um nível de “conhecimento” que é construído a partir dos “sistemas mais específicos [as ideologias] nos quais se baseiam as representações sociais e os processos mentais” dos atores sociais (Van Dijk, 2005: 138).

47Os conceitos de “maîtrise prática” e “maîtrise simbólica da prática”, propostos por Pierre Bourdieu, permitem-nos compreender melhor os complexos processos sociais de produção de sentido que estão em causa quando os atores sociais desenvolvem a reflexividade discursiva.

48A “maîtrise prática” implicará “um saber imediato e destituído de regras”, que é fundado diretamente no habitus (Pinto, 2000: 64-65). É, portanto, mediante o conceito de habitus (de classe), que Bourdieu dá conta dos “sistemas de automatismos e disposições a partir das quais os agentes sociais espontaneamente percebem e avaliam os objectos, comportamentos e situações com que se confrontam” no seu quotidiano (Pinto, 2000: 65).

49Neste sentido, o conceito de “consciência prática” de Giddens parece aproximar-se do conceito de “maîtrise prática” ou, mais exatamente, do conceito de habitus de Bourdieu, uma vez que a “maîtrise prática” dependerá do habitus. Ambos procuram salientar como o entendimento humano, ao nível da prática imediata, se constrói espontaneamente, e ambos pressupõem “o lado activo do conhecimento prático” (Bourdieu, 1989: 61). Como o próprio Bourdieu afirma, com a utilização da noção de “generative grammar desejava pôr em evidência as capacidades criadoras, activas, inventivas do habitus e do agente (...), chamando a atenção para a ideia de que este poder gerador é o de um agente em acção” (Bourdieu, 1989: 61). A intenção teórica de Bourdieu, ao utilizar a palavra habitus, era, assim, “a de sair da filosofia da consciência sem anular o agente na sua verdade de operador prático de construção de objecto” (Bourdieu, 1989: 62). Admitimos que Giddens poderá ter tido uma preocupação idêntica com o conceito de “consciência prática”.

50Isso não significa que não reconheçamos as divergências analíticas que separam as conceções destes dois autores. Na verdade, enquanto Giddens parece situar a «mola» da ação nas escolhas utilitárias e conscientes dos indivíduos, Bourdieu “amplia a esfera do interesse, reduzindo a da utilidade e a da consciência” (Bourdieu & Wacquant, 1992: 15).

51O modo como Bourdieu e Giddens concebem o “espaço de possíveis” é, por outro lado, bastante distinto. Enquanto Bourdieu considera que este é limitado pelo habitus, isto é, pelo facto de os indivíduos incorporarem uma “gramática geradora” de práticas conformes às estruturas objetivas, revelando, assim, um “modo de pensar disposicional” condicionado pela estrutura social, Giddens, por sua vez, amplia o “campo de possíveis” através do conceito de “agência”, defendendo que não existem estruturas sociais que sejam independentes dos indivíduos e das suas estruturas de interação.

52Será, porventura, devido a esta distinção fundamental que Bourdieu analisa em termos muito diversos de Giddens o que está em jogo na produção do conhecimento próprio da consciência discursiva, distanciando-se de Giddens ao associar os processos de racionalização discursiva aos processos simbólicos e ideológicos que regulam os campos sociais onde aqueles processos se inscrevem.

53De acordo com Bourdieu, os símbolos constituem instrumentos por excelência da “integração social”: “enquanto instrumentos de conhecimento e de comunicação (...) eles tornam possível o consensus acerca do sentido do mundo social que contribui, fundamentalmente, para a reprodução da ordem social” (Bourdieu, 1989: 10). Os sistemas simbólicos constituem, por isso, instrumentos de conhecimento e comunicação, mas, além disso, constituem também instrumentos de domínio, na medida em que são estruturados pelo poder simbólico.

54O poder simbólico, “esse poder invisível, o qual só pode ser exercido com a cumplicidade daqueles que não querem saber que lhe estão sujeitos ou mesmo que o exercem” (Bourdieu, 1989: 7-8), “é um poder de construção da realidade que tende a estabelecer uma ordem gnoseológica: o sentido imediato do mundo e, em particular, do mundo social” (Bourdieu, 1989: 9).

55No processo de racionalização discursiva, este poder traduz-se na faculdade de impor significações e impô-las como legítimas. As diferentes classes e fracções de classe encontram-se, assim, envolvidas numa luta propriamente simbólica “para imporem a definição do mundo social mais conforme aos seus interesses e imporem o campo das tomadas de posições ideológicas reproduzindo, em forma transfigurada, o campo das posições sociais” (Bourdieu, 1989: 11). Esta luta pode ser conduzida quer diretamente, nos conflitos simbólicos da vida quotidiana, quer por procuração, por meio da luta travada pelos especialistas da produção simbólica, na qual está em jogo o monopólio da violência simbólica legítima, quer dizer, do poder de impor – e mesmo inculcar – instrumentos de conhecimento e de expressão (taxinomias) arbitrários – embora ignorados como tais – da realidade social (Bourdieu, 1989: 11-12).

56Ao chamar a atenção para o facto de a análise dos processos de racionalização discursiva não poder ser dissociada destas questões, a perspetiva de Bourdieu permite-nos pressupor, em síntese, que a reflexividade produzida pelos atores sociais não é tanto uma reflexividade discursiva, nos termos em que Giddens a concebe, mas, sobretudo, uma reflexividade“simbólico-ideológica”.

57Associamos aos processos simbólico-ideológicos a noção de reflexividade, na medida em que aceitamos que os sistemas simbólicos são “produtos sociais que produzem o mundo, porque não lhes chega reflectirem as relações sociais mas contribuírem para a sua constituição” (Bourdieu e Wacquant, 1992: 8). Neste sentido, as reflexões simbólicas e ideológicas produzidas pelos atores sociais podem ser perspetivadas como “ações atuantes”. Tal como “os «sistemas simbólicos», enquanto instrumentos de conhecimento e comunicação, só podem exercer um poder estruturante porque são estruturados” (Bourdieu 1989: 9), em nossa opinião, a reflexividade produzida nesses mesmos sistemas obedecerá às mesmas condições.

3. Condições para a prática de uma reflexividade de 3.º grau: a reflexividade técnico-ideológica

58Equacionar a reflexividade nestes termos não invalida que coloquemos a hipótese de alguns atores sociais que intervêm no espaço dos media poderem construir e difundir um modelo concetual mais próximo de uma reflexividade hiper racionalizada. A capacidade de os indivíduos divulgarem e receberem uma reflexividade distinta da reflexividade simbólico-ideológica que acionam regularmente nas suas interações discursivas estará dependente das “capacidades «criadoras» e inventivas dos seus habitus” (Bourdieu, 1989: 61), isto é, da margem de manobra que detiverem relativamente à estrutura dos campos sociais onde se poderá constituir.

59Ora, os media constituem um campo de produção simbólica e ideológica, na medida em que este sistema tem o poder “de constituir o dado pela enunciação, de fazer ver e fazer crer, de confirmar ou transformar a visão do mundo e, deste modo, o mundo” (Bourdieu, 1989: 15). Mas o que faz “o poder das palavras e das palavras de ordem é a crença na legitimidade das palavras e daquele que as pronuncia” (Bourdieu, 1989: 15).

60Assim, entre os especialistas da produção simbólica, serão aqueles que detêm o poder no interior do campo dos media que deterão a legitimidade de produzir os discursos que serão reconhecidos, isto é, legitimados socialmente. Serão estes que darão origem ao efeito ideológico que se faz sentir no campo mediático: a imposição de sistemas de classificação políticos sob a aparência legítima de taxinomias científicas. Serão, estes, em suma, que fabricam discursos a partir de uma reflexividade“simbólico-ideológica”.

61Todavia, alguns peritos poderão reunir condições privilegiadas para construir uma reflexividade com contornos científicos. Referimo-nos aos cientistas e a alguns “mediadores da produção simbólica”, que possuem, tal como outros especialistas, um saber científico e um saber prático.

62A questão é que o espaço dos meios de comunicação social é atualmente habitado, de forma conflituosa e competitiva, por estes grupos sociais, mas usualmente está dominado pelos especialistas da representação do mundo social (Melo, 2009). Portanto, só será possível que outras representações sociais que não as dominantes possam ter lugar nos media se for posta em causa a hierarquia e os princípios que têm suportado a estrutura deste campo.

  • 2 “Situações críticas” são “as circunstâncias de tipo imprevisível que afectam uma quantidade substan (...)

63Por outro lado, o reconhecimento da preponderância do conhecimento “prático” na monitorização do quotidiano dos indivíduos leva-nos a pensar que será, sobretudo, quando confrontados com situações críticas2 que estes sentirão a necessidade de produzir e reproduzir um conhecimento mais próximo do conhecimento “suprarracionalizado”. Neste sentido, pressupomos que será quando a segurança ontológica é especialmente afetada – devido a determinadas circunstâncias ameaçadoras ou destruidoras das certezas das rotinas institucionalizadas – que a “estrutura” tenderá a capacitar os indivíduos em vez de os constranger (Giddens, 2000a: 43).

64Enquanto campo central de propagação globalizada de notícias relativas a situações críticas e de informações contraditórias a este propósito, os media são responsáveis quer pela amplificação da perceção social daqueles riscos, quer pelo desenvolvimento da noção “pública” de que a ciência não produz um “saber” válido em termos definitivos.

65Se a proliferação de informações respeitantes aos riscos poderá provocar a urgência de se recorrer aos conhecimentos periciais, a abundância de informações antinómicas perante as quais os indivíduos se deparam acentuará a sua necessidade de depositar confiança em alguns daqueles conhecimentos. Entre outros fatores, esta relação de confiança dependerá da credibilidade que os indivíduos atribuam a essas notícias.

66Resta saber se os media representam, para a “opinião pública”, uma fonte de informações suficientemente credível para os levar a acreditar que estão perante uma “situação de risco”. Se assim for, estarão reunidas as condições necessárias para os indivíduos construírem uma perceção da realidade social mais concordante com a das ciências em detrimento de uma perceção da realidade social mais própria do senso comum. Referimo-nos, muito concretamente, ao que poderá ser denominado como uma reflexividade “técnico-ideológica”, na qual a apropriação do conhecimento abstrato desempenhará um papel fundamental.

67É, com efeito, a apropriação social do conhecimento especializado e a sua consequente objetivação nas racionalizações discursivas que nos permite distinguir a reflexividade técnico-ideológica da reflexividade simbólico-ideológica.

68A reflexividade técnico-ideológica (de “3.º grau”) será equivalente ao conhecimento que é construído pelos atores sociais quando estes, após apropriarem elementos da teoria e pesquisa científica, produzem análises que visam interpretar um conjunto de ocorrências singulares, desconstruindo os constrangimentos sociais, culturais e institucionais que as ordenam sem, no entanto, terem consciência que são condicionados por pré-construções e princípios do senso comum.

69Por via da incorporação de discursos especializados, a reflexividade “técnico-ideológica” poderá reproduzir algumas preocupações de “generalidade, especialização temática ou problemática”, no desenvolvimento dos argumentos avançados (Caria, 2002: 806). Mas, em nosso entender, a reflexividade “técnico-ideológica” não traduzirá um novo olhar sobre o mundo social, totalmente suprarracionalizado, já que para isso seria necessário que os atores sociais soubessem utilizar os meios científicos para efetuar as ruturas epistemológicas que presidem à construção do conhecimento científico.

  • 3 Isto não significa, porém, que os cientistas sociais sejam imunes ao senso comum e a posições polít (...)

70É, portanto, pelo facto de não terem sido formados para possuírem a consciência de que as suas reflexões são condicionadas pelo ponto a partir do qual constroem os seus pontos de vista que entendemos que os atores sociais poderão praticar uma “reflexividade técnico-ideológica” e os cientistas sociais a reflexividade científica (de 4.º grau)3.

Notas conclusivas

71Na modernidade tardia, os atores sociais acedem, por intermédio do sistema de ensino e dos media, a uma multiplicidade de referências cognitivas que extravasam o seu mundo quotidiano mais restrito e enriquecem o seu esquema de perceção da realidade envolvente.

72Isso não significa, porém, que desenvolvam uma reflexividade suprarracionalizada, pois esta tem de ser fabricada de acordo com as regras do jogo científico. Ao contrário dos especialistas, os indivíduos monitorizam o seu quotidiano através de uma consciência de tipo simbólico-ideológico e é esta que predominantemente é difundida pelos media (Melo, 2009).

73Em nosso entender, os atores sociais só sentirão a urgência de quebrarem a inércia da rotina que alimenta o seu quotidiano e de produzirem uma reflexividade distinta da que constroem no dia a dia quando sentirem que a sua segurança ontológica poderá ser especialmente afetada devido a determinadas circunstâncias ameaçadoras das certezas das rotinas institucionalizadas. Será, assim, perante “situa­ções críticas” passíveis de provocar a dúvida radical que os atores sociais recorrerão ao conhecimento baseado em informações científicas – desenvolvendo uma reflexividade de tipo técnico-ideológico – para produzir uma ação social inovadora.

74Alguns mediadores da produção simbólica podem difundir a reflexividade técnico-ideológica, mas isso estará dependente da “margem de manobra” que dispõem para intervir no campo mediático. Se a concorrência entre estes peritos e os “especialistas da representação do mundo social” possibilitar que outras representações sociais, que não as dominantes, ali possam circular, é possível que outras visões (e atuações) do mundo “mais racionais” sejam difundidas pelos media. Nestes termos, os media poderão contribuir para a disseminação social de uma reflexividade próxima do conhecimento científico.

Topo da página

Bibliografia

ALMEIDA, J. F. e J. M. Pinto (1987), “Da teoria à investigação empírica, problemas metodológicos gerais”, in A. S. Silva e J. M. Pinto (orgs.), Metodologia das Ciências Sociais, Porto, Afrontamento, pp. 55-78.

BOURDIEU, P. (1989), O Poder Simbólico, Lisboa, Difel.

BOURDIEU, P. (2003), Questões de Sociologia, Lisboa, Fim de Século.

BOURDIEU. P. e L.Wacquant (1992), Pour une Anthropologie Reflexive, Paris, Seuil [tradução de Eduardo Jorge Esperança, U.Évora].

CARIA, T. H. (2002), “O uso do conhecimento: os professores e os outros”, Análise Social, vol. XXXVII, (164), pp. 805-831.

DOMINGUES, J. M. (2002), “Reflexividade, Individualismo e Modernidade”, Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 17, (49), pp. 55-70.

GIDDENS, A. (1989), A Constituição da Sociedade, São Paulo, Livraria Martins Fontes.

GIDDENS, A. (1998), As Consequências da Modernidade, Oeiras, Celta.

GIDDENS, A. (2000a), Dualidade da Estrutura – Agência e Estrutura –, Oeiras, Celta.

GIDDENS, A. (2000b), O mundo na era da globalização, Lisboa, Presença.

GIDDENS, A. (2001), Modernidade e Identidade Pessoal, Oeiras, Celta.

MELO, M. B. P. (2009), Os Professores do Ensino Secundário e os Rankings Escolares, V. N. Gaia, Fundação Manuel Leão.

PINTO, J. M. (2000), Estruturas Sociais e Práticas Simbólico-Ideológicas nos Campos – Elementos de teoria e pesquisa empírica, Porto, Afrontamento.

SILVA, A. S. (1987), “A ruptura com o senso comum nas ciências sociais” in A. S. Silva e J. M. Pinto (orgs.), Metodologia das Ciências Sociais, Porto, Afrontamento, pp. 29-53.

SILVA, A. S. e J. M. Pinto (1987), “Uma Visão Global sobre as Ciências Sociais”, in A. S. Silva e J. M. Pinto (orgs.), Metodologia das Ciências Sociais, Porto, Afrontamento, pp. 9-27.

VAN DIJK, T. A. (2005), Discurso, Noticia e Ideologia – Estudos na Análise Crítica do Discurso, Porto, Campo das Letras.

Topo da página

Notas

1 As reflexões teóricas que se apresentam foram inicialmente desenvolvidas na Tese de Doutoramento, tendo sido testadas na investigação empírica então realizada. Contudo, o texto que se apresenta foi reformulado e melhorado relativamente ao original.

2 “Situações críticas” são “as circunstâncias de tipo imprevisível que afectam uma quantidade substancial de indivíduos e que ameaçam ou destroem as certezas de rotinas institucionalizadas” (Giddens, 1989: 49).

3 Isto não significa, porém, que os cientistas sociais sejam imunes ao senso comum e a posições político-ideológicas. Dispõem é da formação necessária para efetuar ruturas epistemológicas, caso pretendam produzir conhecimento científico.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

M. Benedita Portugal e Melo, « Contributos para uma análise da tese da “modernidade reflexiva” de Anthony Giddens, a partir da perspetiva de Pierre Bourdieu  », Forum Sociológico [Online], 22 | 2012, posto online no dia 26 Fevereiro 2013, consultado o 25 Setembro 2017. URL : http://sociologico.revues.org/632 ; DOI : 10.4000/sociologico.632

Topo da página

Autor

M. Benedita Portugal e Melo

Doutorada em Sociologia pelo ISCTE. Professora Auxiliar. Instituto de Educação. Universidade de Lisboa (mbmelo@ie.ul.pt)

Topo da página

Direitos de autor

© CICS.NOVA

Topo da página
  • Logo CICS.NOVA
  • Logo FCT
  • Revues.org